Como ser feliz?

Sim, eu poderia começar isso de muitas maneiras, poderia até criar um teorema bobo daqueles textos de autoajuda esse seria apenas mais um desses? Bem, de que será que estou tentando me convencer? Se bem que eu gosto de falar comigo mesma, é como se eu gritasse comigo e realmente acordasse com isso. Sei lá, eu tenho isso,

na maioria das vezes…

Acho que deveria haver dois momentos na vida, bem marcados: aquele em que a gente apanha antes de aprender e aquele em que a gente é realmente responsável, em outras palavras, maduros, mas nem sempre chegamos nessa fase aos 20 e provavelmente não será aos 40, quem sabe se duplicarmos mais uma vez…. de qualquer forma, isso significa que aprenderemos muito apanhando ainda, até chegar ao “basta, cansei, serei uma borboleta agora” tudo bem, mais um devaneio meu  Voltaremos ao assunto base: a FELICIDADE  e quem achou que ela não tinha nada a ver com isso, claro que tem e até que eu chegue a compreendê-la ao meu ver, muitas pessoas terão que me aguentar teorizando por um bom tempo. Talvez porque ela seja uma questão de prática. Não é algo do tipo que a gente brinca ou treina, ninguém brinca de ser feliz…ou é ou não é, mais simples que isso só fazer “Romeu e Julieta” para o lanche.

Na verdade nem eu sei a razão do porquê que eu escolhi este tema para escrever, a gente gosta de se enganar não é verdade? Criamos expectativas que nem nós mesmos somos capazes de suprir, não que a solução seja acabar tudo, mas quem sabe, usar um pouco mais de razão, com moderação claro, seria esse o segredo? Um dia, um garotinho bateu na minha mão, quando eu disse “toca aqui!” e criamos uma grande amizade, mesmo que eu tenha idade de ser sua mãe, naquele dia, eu aprendi como ser feliz, ele não precisava de muito, apenas dei-lhe papel e atenção ah… e várias canetinhas coloridas, foi um belo dia. A FELICIDADE, a verdadeira, não falo das genéricas, nem das que a gente inventa, mas aquela simples, que não precisa de muito, aliás, de muito mesmo, só criatividade, é preciso criar para ser feliz: criar o momento, o local (re)criar as pessoas, aquele garotinho me (re)criou naquela manhã e foi realmente um belo trabalho. Naquele dia eu decidi criar, assim…devagarzinho, como quem não quer nada, almejando tudo que eu posso alcançar efetivamente e me livrando de expectativas surreais, a  gente aprende a dosar a vida, a idade, o momento, a intensidade, mas jamais refreamos a felicidade, nem tardamos…ou somos ou nunca seremos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s